Para que lado vai a democracia?


Democracia é a voz do povo nas urnas, mas com tanta manipulação, será que estamos seguindo a nossa própria vontade?


por Fernando Aires



O Brasil vive nos últimos anos uma onda crescente de revolta por parte da população – o que tem implicado em más escolhas nas urnas.

Agora não é diferente e olhe, que nunca um “L” caiu tão bem para um candidato, da mesma forma que um “B” para o outro.

Contudo, diante de uma situação tão ruim, onde qualquer um dos dois candidatos da ponta está longe de ser a melhor opção, por que no Brasil não se opta por outra alternativa?

Por que sempre tem que ser os mesmos?

Temos duas mulheres disputando o pleito, mulheres de conduta ilibada, preparo e biografia aparentemente limpos, mas, não as vemos com o espaço devido nem a força que deveriam ter na mídia.

Nem da mídia e muito menos dos artistas e celebridades que pregam a todo instante igualdades de gêneros e outros. Por que não dar a uma delas a oportunidade de fazer o melhor pelo país?

Por que não dar a elas a oportunidade de mostrarem suas forças e competências à vontade?

Por que optar por aquele que afundou a nação em dívidas e rombos históricos ou então pelo outro que praticamente cruzou os braços na pandemia e fez pouco dos brasileiros?

Por que polarizar se há opções? Matérias, reportagens, depoimentos, tudo apenas em volta de ambos os candidatos da ponta. Muita fake news e claro, opinião de tudo que é gente para fazer a cabeça do povo.

Isso não é uma manipulação do voto?

A polarização política traz um impacto ruim ao país, visto que não permite ao povo enxergar outras possibilidades de renovação.

O Brasil de hoje não é o mesmo de 20 anos atrás. É um Brasil desafiador, com uma crise econômica de contorno mundial e que pede um plano de governo bem estruturado, com ampla responsabilidade fiscal e sem qualquer promessa vazia, como vemos nas campanhas de ambos os candidatos que provavelmente irão ao segundo turno.

Um deles nem plano de governo tem e está na frente das pesquisas! Ficou preso por corrupção e apenas foi solto, porque o processo foi anulado em um verdadeiro “tapetão jurídico”. O outro, já provou total incompetência e despreparo para a função. 

Se democracia é dar ao povo a liberdade de escolha, parece, essa escolha está muito bem condicionada a um lado que talvez, interesse apenas a um grupo bem pequeno.

Do contrário, para qual lado esta democracia nos levará, então?

Fernando Aires é jornalista e pós graduado em Marketing. Membro Correspondente da Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo – RJ e da Academia de Letras do Brasil de Votuporanga-SP.

Brisa da Manhã – Millenah Pantrigo

Brisa da Manhã é o como um sopro de amor e de carinho que recebemos naqueles momentos em que mais precisamos.

A dor da perda de um parente querido e o renascimento da vida são abordados por Millenah Pantrigo de uma forma leve, experiente, chamativa e que nos prende a atenção da primeira à última página.

Para adquirir ao livro digital, efetue o depósito ou transferência bancária, no valor de R$ 24,90, para:

BANCO BRADESCO
Agência: 3114
Conta Poupança: 1015213-5

Em seguida, envie o comprovante para a autora no e-mail:
millenahpantrigo@gmail.com

Quem é Millenah Pantrigo?

Milena do Carmo Pantrigo França é pedagoga, educadora, professora de danças ciganas e danças orientais árabes.

Nascida em São Paulo, reside em Taboão da Serra – SP. Desde os doze anos escreve poesias, como forma de se encontrar e ter a sua verdadeira amizade que são os livros.

Como teve de crescer rapidamente ajudando os pais doentes e na escola sofreu bullying, então, via nos livros e nos cadernos a sua verdadeira amizade, onde desabrochou a vontade de escrever tudo aquilo que se sente, como forma de fuga para não enlouquecer com o mundo.

“O Mundo de Lucy”, por Millena Pantrigo

O Mundo de Lucy narra a história de luta de uma menininha contra uma doença, tendo ao lado seu fiel companheiro de viagens e fantasias.

Mostrando a importância da leitura na infância, fazendo a diferença na formação e na personalidade das crianças.

Uma leitura para ser feita em família e estimular aos pequenos desde cedo, a este delicioso hábito.

Para adquirir ao livro digital, efetue o depósito ou transferência bancária, no valor de R$ 24,90, para:

BANCO BRADESCO
Agência: 3114
Conta Poupança: 1015213-5

Em seguida, envie o comprovante para a autora no e-mail:
millenahpantrigo@gmail.com

Quem é Millenah Pantrigo?

Milena do Carmo Pantrigo França é pedagoga, educadora, professora de danças ciganas e danças orientais árabes.

Nascida em São Paulo, reside em Taboão da Serra – SP. Desde os doze anos escreve poesias, como forma de se encontrar e ter a sua verdadeira amizade que são os livros.

Como teve de crescer rapidamente ajudando os pais doentes e na escola sofreu bullying, então, via nos livros e nos cadernos a sua verdadeira amizade, onde desabrochou a vontade de escrever tudo aquilo que se sente, como forma de fuga para não enlouquecer com o mundo.

PARABÉNS!

Seu pagamento foi efetuado com sucesso!

Pagamento efetuado e você acaba de dar um passo importante em sua vida. Imagine, o momento em que os seus livros chegarem em seu endereço, a alegria que será!

O seu projeto editorial está em boas mãos. Trabalharemos juntos para que você tenha todo respaldo e atenção que precisa, afinal, estamos concretizando juntos um sonho de muito tempo.

Isto significa que, em alguns meses, você terá o seu livro em mãos, finalizado do jeito que você sempre sonhou e poderá dar o início ou a sequência em sua carreira como escritor.

Porque a SÉRIA Comunicação tem o prazer de participar desta etapa tão importante de sua vida e de muitas outras. E claro, saber que juntos contribuímos para um país muito melhor, repleto de ideias e possibilidades. Conte com a gente!

O editor-chefe Fernando Aires, agora, vai lhe acompanhar em cada etapa deste sonho. Falta pouquinho para você receber o seu livro!

Vamos juntos?

 

 

Íntimo e Pessoal – por Millenah Pantrigo

Íntimo e Pessoal é poesia, amor e reflexão como o leitor jamais leu.

Uma leitura que nos absorve e nos transporta ao mundo da autora, em sua visão particular e experiências acumuladas.

Leitura incansável, gostosa e viciante – porque não dizer – assim como é a própria vida!

Para adquirir ao livro digital, efetue o depósito ou transferência bancária, no valor de R$ 24,90 ao:

BANCO BRADESCO
Agência: 3114
Conta Poupança: 1015213-5

Em seguida, envie o comprovante para a autora no e-mail:
millenahpantrigo@gmail.com

Quem é Millenah Pantrigo?

Milena do Carmo Pantrigo França é pedagoga, educadora, professora de danças ciganas e danças orientais árabes.

Nascida em São Paulo, reside em Taboão da Serra – SP. Desde os doze anos escreve poesias, como forma de se encontrar e ter a sua verdadeira amizade que são os livros.

Como teve de crescer rapidamente ajudando os pais doentes e na escola sofreu bullying, então, via nos livros e nos cadernos a sua verdadeira amizade, onde desabrochou a vontade de escrever tudo aquilo que se sente, como forma de fuga para não enlouquecer com o mundo.

“Amanhecer”, por Millena Pantrigo

Amanhecer é o tipo do livro que nos faz pensar e repensar as nossas vidas.

Reflexão, amor e poesia são abordados por Millenah Pantrigo de uma forma leve, experiente, que nos prende a atenção e nos emociona.

Uma leitura super agradável e que você não pode deixar de ler.

Aconchegue-se e aproveite a leitura!

Para adquirir ao livro digital, efetue o depósito ou transferência bancária, no valor de R$ 24,90, para:

BANCO BRADESCO
Agência: 3114
Conta Poupança: 1015213-5

Em seguida, envie o comprovante para a autora no e-mail:
millenahpantrigo@gmail.com

Quem é Millenah Pantrigo?

Milena do Carmo Pantrigo França é pedagoga, educadora, professora de danças ciganas e danças orientais árabes.

Nascida em São Paulo, reside em Taboão da Serra – SP. Desde os doze anos escreve poesias, como forma de se encontrar e ter a sua verdadeira amizade que são os livros.

Como teve de crescer rapidamente ajudando os pais doentes e na escola sofreu bullying, então, via nos livros e nos cadernos a sua verdadeira amizade, onde desabrochou a vontade de escrever tudo aquilo que se sente, como forma de fuga para não enlouquecer com o mundo.

Quando o fardão verde-oliva tem mais valor

Recém empossados pela Academia Brasileira de Letras, Fernanda Montenegro e Gilberto Gil desembolsaram “apenas” R$ 30 mil pelo fardão verde-oliva com fios de ouro. E por pouco, o povo do Rio de Janeiro não pagou essa conta

Divulgação ABL

Quando em 1897, Machado de Assis, Rui Barbosa, José Veríssimo e outros notáveis escritores, jornalistas e pensadores empreenderam a nobre tarefa de inaugurar a Academia Brasileira de Letras (nos moldes da francesa), qual teria sido a intenção deles?

Certamente, promover o trabalho literário nacional e incentivar o povo à leitura, reconhecendo e inspirando ao mesmo tempo inúmeros outros escritores e poetas brasileiros. Levando nossas palavras e ideias pelo mundo afora!

Hoje, porém, as preocupações são outras.

Recentemente, a atriz Fernanda Montenegro e o cantor / compositor Gilberto Gil, recém empossados pela ABL, desembolsaram “apenas” R$ 30 mil para pagar a confecção da farda verde-oliva, com os desenhos dos ramos de café bordados em fios de ouro.

O alfaiate contratado foi o que teria apresentado o orçamento mais “barato”, levando em conta que o serviço original da Casa cobraria R$ 50 mil pela confecção.

Recusaram, ainda, a proposta “generosa” do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, de pagar em nome da prefeitura as despesas com as fardas. Claro, um marketing e tanto! Ambos, porém, recusaram, alegando que não havia cabimento em função da pandemia.

Só por causa da pandemia? Sério mesmo?

É de se respeitar o notável trabalho da atriz e do cantor ao longo de suas jornadas, aliás, a posse de ambos é justa e merecida, contudo, perderam grande oportunidade de lançarem um olhar crítico sobre a real função desta instituição que está na direção ERRADA!

Noutros tempos, Ariano Suassuna quebrou tal protocolo, mandando fazer seu próprio fardão com uma costureira do Nordeste. Foi tachado de “Jeca”, claro, por quem não tinha qualquer valor cultural e convenhamos, Suassuna foi um gênio da nossa literatura, que dispensou qualquer fardão ou emblema à frente de seu nome e obra.

Contudo, onde está o bom senso desta turma de “intelectuais”? É certo gastarem R$ 30 mil, R$ 50 mil em uma farda? Fios de ouro? Qual é a verdadeira função da Academia Brasileira de Letras na sociedade? Ditar a moda?

Em um país onde o povo não tem dinheiro para comprar comida, quanto menos para ler! Em um país onde os governos ainda desestimulam a leitura, as artes, mas se oferecem para “bancar” essa conta, como se não tivessem outras prioridades para olhar.

Penso, que não foi esta a intenção com que o “bruxo do Cosme Velho” e tantos outros escritores e poetas ilustres, tais como Olavo Bilac, José do Patrocínio e Graça Aranha fundaram a Academia, que deveria ser referência da cultura e das letras no Brasil!

Esta Instituição que deveria primar por causas nobres e lutar por um povo mais letrado, mais informado, mais preparado para transformar o país com ideias próprias, em vez de discutirem trivialidades enquanto tomam seus “chazinhos”.

Uma Academia que deveria cobrar dos governos um ensino de qualidade no país, sobretudo da nossa língua portuguesa. Que deveria promover a leitura de norte a sul!

Uma Casa que deveria lutar por um conhecimento mais amplo de nossas grandes obras, abrindo caminhos também a escritores contemporâneos e sem recursos.

A periferia está cheia de grandes poetas e escritores, de “Cartolas” que estão por aí e que no mínimo, renderiam grandes obras! Fariam o povo se orgulhar e se inspirar como noutros tempos, nossos poetas e escritores o fizeram tão bem em várias vertentes.

Se ao menos tivessem uma chance…

A sociedade possui talentos que talvez jamais sejam descobertos, por causa desta hipocrisia que os sufocam em detrimento dos nomes famosos, do marketing e da publicidade que isso gera à Casa e aos poderes constituídos.

Uma Academia onde seus membros se reúnem em volta de uma mesa com seus fardões verde-oliva, para discutirem o quê? Mudanças estapafúrdias em uma ortografia já tão complexa de se entender e praticar?

Será que servem apenas para isso? Para complicar a vida do povo em vez de ajudá-lo a se comunicar, a se expressar, a entender e melhorar o seu país?

Uma Instituição que, por exemplo, jamais reconheceu nomes como Vinícius de Moraes, Lima Barreto, Graciliano Ramos, Mário Quintana, Monteiro Lobato, Cecília Meireles, Clarice Lispector, será que não tinham valor literário ou intelectual em suas épocas?

Será que tinham menos valor intelectual do que por exemplo, José Sarney ou Paulo Coelho?

Com todos esses ritos, como a ABL aproxima o povo das letras? Das poesias? Das artes e da reflexão? Infelizmente, não aproxima, apenas se distancia como uma Instituição das “elites”. Onde poucos são os privilegiados e contemplados por seu “reconhecimento”.

A ABL está a anos-luz do povo, de suas necessidades intelectuais e do ideal que Machado de Assis e tantos outros tiveram ao fundá-la.

Enquanto não acordarem para a real situação do país e tentarem entender o quê uma Academia de Letras significa para o povo e a classe que seus membros representam, sua contribuição à nação é NULA.

E assim será por muito tempo, infelizmente, se os valores ficarem só na aparência.

Fernando Aires é jornalista e pós graduado em Marketing. Membro Correspondente da Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo – RJ e da Academia de Letras do Brasil de Votuporanga-SP.

Rabiscos

Rabiscos é a primeira obra do poeta, escritor, artista plástico e publicitário Roldão Aires.

Das criações no mercado publicitário às artes plásticas, não tardou até que Roldão se descobrisse poeta.

Há mais de 10 anos, o publicitário escreve em diversas comunidades, já lançou outras obras e recebeu vários prêmios por seus versos.

Com a temática do amor, o poeta Roldão Aires conquista o público leitor, inspira e torna o dia a dia sempre mais leve.

Vale a pena ler e se apaixonar! Adquira já o seu e-book. Disponível também no Google Play Livros e na Amazon.

COMPRE JÁ O SEU!

Pague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

ANTOLOGIA 2022

Coleção de Contos e Versos com Temas Diversos

ESTÁ PRONTA!

Esta é mais uma coletânea que a Séria Comunicação lança com grande orgulho!
 
Aqui, escritores de todo o Brasil e também de outros países apresentam seus contos e poesias.
 
Uma obra que vale a pena conhecer!
 
Eficiência, seriedade, honestidade, nosso compromisso maior é com você!
 
Entre em contato e garanta a sua participação em nossa próxima coletânea!
 
Em breve, mais informações.
 
☎️ 11 2829-0288 (WhatsApp)
📧 editora@seriasercomunicacao.com

ANTOLOGIA – 2021

Antologia Registro em Versos

Registro em Versos é uma antologia de contos, crônicas e poesias que reuniu inúmeros talentos.

Poetas, escritores, jornalistas, pensadores e apaixonados pela arte das letras expressaram seus pensamentos, causos e ideias de forma séria, apaixonante, divertida e interessante!

O livro apresenta um repertório repleto de romance, comédia, política, reflexão, suspense e outros gêneros que aquilatam a obra!

Tudo devidamente registrado e com os direitos de cada autor preservados. Um deleite aos amantes da literatura.

Garanta já a sua participação na próxima obra. Em breve, um novo projeto será divulgado.

 Clique aqui e ENTRE EM CONTATO!

Conheça um pouco mais sobre
a antologia Registro em Versos!

®2022 - Criado por Séria - Serviços de Comunicação